Web Rádio PCN - LIRAa: Arcos aparece novamente na lista de municípios com risco de surto de dengue

LIRAa: Arcos aparece novamente na lista de municípios com risco de surto de dengue

Fonte: portalms.saude.gov.br

O novo Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2018 aponta que 544 cidades estão em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya no estado de Minas Gerais. Desse total, 191 estão em risco de surto das doenças. Outros 353 aparecem em alerta e 290 estão em situação satisfatória. Belo Horizonte, a capital do estado, não enviou as informações.

 “O resultado do levantamento indica que é necessário dar mais atenção nas ações de combate ao mosquito. A prevenção não pode ser interrompida, mesmo no período mais frio do ano”, alertou o secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Osnei Okumoto. Segundo o secretário, a continuidade das ações é importante para manter baixos os índices de infestação, justamente para quando chegar a época de maior proliferação. “Assim será possível manter a redução do número de casos” explicou o secretário.

O Levantamento Rápido de Índices por Aedes aegypti (LIRAa), é um instrumento fundamental para o controle do vetor e das doenças (dengue, zika e chikungunya). Com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de criadouro predominante. O objetivo é que, com a realização do levantamento, os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle do mosquito.

CRIADOUROS

A metodologia permite identificar onde estão concentrados os focos do mosquito em cada município, além de revelar quais os principais tipos de criadouros predominantes. Os resultados reforçam a necessidade de intensificar imediatamente as ações de prevenção contra a dengue, zika e chikungunya, em especial nas cidades em risco e em alerta.

O armazenamento de água no nível do solo (doméstico), como tonel, barril, foi o principal tipo de criadouro na região nordeste. Nas regiões norte, sul e centro oeste, o maior número de depósitos encontrados foi em lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção. Na região Sudeste predominaram os depósitos móveis, caracterizados por vasos/frascos com água, pratos e garrafas retornáveis.

CASOS DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

Em 2018, até 21 de abril, foram notificados 14.876 casos prováveis de dengue em Minas Gerais, uma redução de 17% em relação ao mesmo período de 2017 (17.726). Em relação à chikungunya, foram registrados 4.385 casos prováveis. A redução é de 66% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 12.823 casos.

Também foram registrados 124 casos prováveis de zika no estado, uma redução de 76% em relação ao mesmo período de 2017 (499).

Veja matéria completa:

http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/43507-minas-gerais-registra-544-municipios-em-situacao-de-alerta-ou-risco-para-dengue-zika-e-chikungunya